O JORNAL ECONÓMICO – MAFALDA SIMÕES MONTEIRO

08 de abril de 2016

::

O Reino Unido foi, em 2013 e 2014, o destino preferido dos portugueses que emigraram revela o Observatório da Emigração. França continua a ter a maior comunidade de portugueses.

O desemprego poderá ter dado o empurrão para que muitos portugueses tenham optado pela emigração. Não se registava um fluxo tão elevado desde 1969/1973. O Reino Unido está, nos anos mais recentes, no topo dos destinos escolhidos para emigrar. França, tradicionalmente o principal destino dos emigrantes portugueses, está agora na segunda posição, mas continua a ser a maior comunidade de portugueses no estrangeiro. As remessas dos emigrantes já representam perto de 2% do PIB. As conclusões são do Observatório da Emigração.

Quais são os destinos dos portugueses escolhidos pelos portugueses quando a opção passa pela emigração? O Observatório da Emigração assinala o Reino Unido no topo das preferências pelo segundo ano consecutivo (2014).Emigração

Atualmente, a taxa de desemprego em Portugal está a apresentar uma tendência decrescente, não obstante ligeiras flutuações mensais, ainda assim, o pico de há cerca de três anos, poderá ter contribuído para o incremento do abandono do país por parte da população ativa. Segundo o Observatório da Emigração, em 2013 e 2014, a maioria destes novos emigrantes deslocaram-se para o Reino Unido. No total, 20% da população residente em Portugal não está de facto a viver no país.

Os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatísticas (INE) referem que a taxa de desemprego se fixou em 12,3% (mais de 622 mil desempregados), sendo a taxa de desemprego jovem (15 aos 24 anos) francamente mais elevada (30%). Os dados, relativos ao mês de fevereiro de 2016, foram publicados a 1 de abril. Os dados do Observatório da Emigração são mais elevados e relativos a 2013, ano em que a taxa de desemprego rondava os 16% e o desemprego jovem se aproximava dos 40%.

Em 2013 e 2014, o Reino Unido foi o principal destino de emigração dos portugueses. Chegaram àquele país mais de 30 mil emigrantes por ano, de acordo com a análise do Observatório da Emigração. O país que deu novos mundos ao mundo, dá agora mão-de-obra para esse mesmo mundo.

Os destinos preferidos têm afinidades geográficas e culturais/linguísticas com Portugal. É dentro da Europa que circula a maior parte dos portugueses emigrados. Em 2014, registaram-se 30.546 entradas no Reino Unido, 18 mil em França, 15.221 na Suíça, 10.121 na Alemanha e para o país vizinho seguiram 5.923 portugueses. Para os países de língua oficial portuguesa ruma igualmente uma parcela significativa dos emigrantes: Angola (6º destino em 2014), Moçambique (8º) e Brasil (11º).

Alguns dos países que registam maior incremento na entrada de portugueses foram a Bélgica, Espanha e Moçambique. Entre 2013 e 2014, o fluxo de imigrantes portugueses para aqueles países cresceu 35%, 12% e 6% respetivamente. Pelo contrário, o fluxo de entrada de emigrantes portugueses recuou substancialmente em países como o Brasil (-34%), a Suíça (-24%), o Luxemburgo (-16%) ou a Alemanha (-11%).

França continua a ser o país com o maior número de portugueses emigrados, perto de 600 mil em 2012, cerca de 7% da população. Em 2014, mais de três mil portugueses adquiriram esta nacionalidade.

Observatório da Emigração

Mais emigrantes e mais qualificados

Em 2014 saíram de Portugal mais de 110 mil emigrantes, número semelhante ao registado no ano anterior. Historicamente só se registaram valores de emigração mais elevados entre os anos de 1969 e 1973, quando a média anual de saídas de Portugal rondou as 150 mil pessoas. O desemprego poderá ter contribuído para este êxodo. As Nações Unidas calcula que, em 2015, existissem cerca de dois milhões e trezentos mil emigrantes portugueses em todo o mundo, mais do que 10 anos antes. A população portuguesa emigrada equivale a mais de 20% da população residente em Portugal. Em dez anos, o saldo migratório em Portugal caiu de 47 mil em 2004 para menos 36 mil em 2014.

Entre 2000/2001 e 2010/11 a percentagem de emigrantes nascidos em Portugal com formação superior aumentou 70% passando de 7% para 11%, segundo os dados da OCDE citados pelo Observatório da Emigração. Os destinos escolhidos por este tipo de emigrante foram, em 2010/2011, a Noruega (40%), o Reino Unido (38%) e a Irlanda (37%). Os portugueses qualificados foram igualmente para o Luxemburgo (4%), Suíça (6%) e França (7%).

Também na viragem da década de 2010, a percentagem de emigrantes nascidos em Portugal com formação académica era de 23% entre aqueles que viviam no país de destino há menos de cinco anos e de 9% entre aqueles que aí viviam há mais de 10 anos.

Em 2010/2011, apenas 19% dos emigrantes ativos nascidos em Portugal, tinham profissões qualificadas (gestores, profissionais e técnicos). No Luxemburgo eram cerca de 10% e na Dinamarca perto de 45%.

Contando apenas com os cinco principais destinos de emigração, mais de um milhão de portugueses vive atualmente no estrangeiro. 81% dos portugueses estão deslocados há mais de dez anos em países que tradicionalmente são recetores de portugueses como a França, os EUA, o Canadá, a Suíça ou Espanha. Segundo os dados do Censos, compilados pela OCDE, a percentagem de emigrantes nascidos em Portugal a viver no país de destino há mais de dez anos diminuiu 4%, passando de 84% para 81%.

No entanto os países escolhidos estão a mudar. Do total de emigrantes portugueses, 11% partiram nos últimos cinco anos (dados até 2011), apesar da França continuar a ser o principal destino, seguido do Reino Unido, da Suíça, de Espanha e do Luxemburgo, refere a mesma informação da OCDE citada pelo Observatório da Emigração.

Quem emigrou no final da primeira década do século, 8% do total dos emigrantes, optou pela Suíça, Reino Unido, França, Espanha e Luxemburgo.

«http://www.oje.pt/portugueses-qualificados-rumam-ao-reino-unido/»